Wagner Nogueira

Área de identificação

tipo de entidade

Pessoa

Forma autorizada do nome

Wagner Nogueira

Forma(s) paralela(s) de nome

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) de nome

identificadores para entidades coletivas

área de descrição

Datas de existência

1947-

Histórico

Nasceu em 25 de novembro de 1947, em São Paulo e é filho de Henrique Nogueira e Maria da Conceição Nogueira. Criado em uma família tradicionalmente composta por militares, os dois irmãos seguiram essa opção profissional. Passou a infância em Tremembé, São Paulo, e fez toda a formação em escola pública. Ingressou na Escola de Cadetes da Aeronáutica em Barbacena, Minas Gerais, aos 15 anos, mas ficou apenas 5 dias, e descobriu que não tinha perfil para escola militar. Terminou o colegial no Instituto de Educação Estadual Albino César, em São Paulo, e descobriu sua aptidão para a Medicina. Cursou vestibular em 1967 e no ano seguinte ingressou no curso de Medicina da USP, concluído em 1974 e complementado com a Residência Médica em Medicina Preventiva na mesma Faculdade. Fez dois Cursos de Especialização: em Saúde Pública e em Planejamento em Saúde, ambos na Faculdade de Saúde Pública da USP, entre 1976 e 1978, respectivamente. Em 1985 completou o Curso de Especialização em Administração Pública e Projetos Públicos na Fundação para o Desenvolvimento da Administração Pública (Fundap) em São Paulo, e em 1988 obteve o Título de Especialista em Hansenologia na Sociedade Brasileira de Hansenologia, em concurso realizado no Rio de Janeiro. Sua trajetória com a hanseníase começou em 1977, ao chegar à gerência de um posto de saúde no Guarujá, São Paulo, após prestar concurso para a Secretaria de Saúde do estado. Ficou muito próximo do dr. Constantino José Fernandes, ao qual recorria sempre que tinha dúvidas em relação ao atendimento dos pacientes de hanseníase. Em 1979 fez o Curso de Hansenologia em Bauru, e em 1980 foi fazer o Curso de Prevenção de Incapacidades no Instituto Lauro de Souza Lima e conheceu Bacurau, um dos criadores do Morhan, ao qual se uniu em favor da causa do paciente de hanseníase. Em 1983
participou do Encontro Nacional de Direitos Humanos no Rio de Janeiro, onde conheceu a coordenadora estadual de hanseníase, a dra. Maria Leide W. de Oliveira. Em 1985 foi eleito vice-coordenador nacional do Morhan. Em 1986 passou a fazer parte do corpo docente das Faculdades de Enfermagem de Mogi das Cruzes e do Centro Universitário São Camilo, em São Paulo, e em 1987 passou a ser docente das disciplinas de Administração Pública e Planejamento em Saúde Pública, nos Cursos de Especialização em Saúde Pública e Educação em Saúde, além de orientador das monografias de encerramento
desses cursos nas Faculdades São Camilo (até 1994) e no Instituto de Pesquisas Hospitalares – IPH (até 2008), onde ministrava também essas disciplinas nos Cursos de Especialização em Administração Hospitalar. Em 1990 assumiu o cargo de coordenador estadual de Hanseníase em São Paulo e foi figura-chave para a consolidação do processo da poliquimioterapia naquele estado, ao trabalhar com um processo de implantação gradual dessas ações. Em 2002, defendeu o Mestrado na Faculdade de Medicina da USP, no Departamento de Medicina Preventiva, com tema sobre a eliminação da hanseníase em São Paulo. Enquanto gerente estadual foi um dos grandes colaboradores do Programa
Nacional de Hanseníase, atuando em comissões e comitês, com destaque para sua preocupação com a reestruturação dos antigos hospitais-colônia. Em 2001 passou a atuar no processo de capacitação em hanseníase dos médicos ligados ao Programa de Saúde da Família da região leste do município de São Paulo, onde também assessorava a Coordenação Regional nas atividades de Planejamento. Em 2004 deixou a Coordenação Estadual, mas manteve suas atividades de assessoria desta até 2009 quando se aposentou.

Locais

Estado Legal

Funções, ocupações e atividades

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

Contexto geral

Área de relacionamento

Área de ponto de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ocupações

Área de controle da descrição

Identificador de autoridade arquivística de documentos

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

ISAAR(CPF): norma internacional de registro de autoridade arquivística para entidades coletivas, pessoas e famílias.

Status da descrição

nível de detalhamento

Datas das descrições (criação, revisão e remoção)

Idioma(s)

Escrita(s)

Fontes utilizadas na descrição

Notas de manutenção