Item 14 - Wim Maurits Sylvain Degrave

Open original objeto digital

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC 05-05-02-12-14

Título

Wim Maurits Sylvain Degrave

Data(s)

  • 02/09 a 24/10/1996 (Produção)

nível de descrição

Item

Dimensão e suporte

Documentos sonoros: 8 fitas cassete e 8 CDs (7h01min; cópia digital)

Área de contextualização

Nome do produtor

História arquivística

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Entrevista realizada por Nara Azevedo, Wanda Hamilton, Simone Kropf e Luis Otávio Ferreira, no Rio de Janeiro (RJ), nos dias 02 de setembro, 10, 23 e 24 de outubro de 1996.

Sumário

Fita 1
Origem familiar; formação escolar; a opção pelo estudo de línguas; a escolha da carreira; comentários sobre o curso de Química da Universidade Federal de Gent, na Bélgica; o interesse pelo campo de Biologia Molecular; o estágio no laboratório de Biologia Molecular de Walter Fiers; o ingresso no doutorado; o trabalho com sequenciamento de interferon; o contrato como professor assistente no laboratório de Walter Fiers.

Fita 2
Comparação entre os laboratórios de Walter Fiers e Mark Van Montagu na Bélgica; os contratos entre o laboratórios e as empresas privadas de biotecnologia; a criação da Biogent em associação com a Biogen e o colapso do laboratório de Walter Fiers; o interesse em vir para o Brasil; o contato com Carlos Morel.

Fita 3
A vinda para o Brasil; panorama das pesquisas em Biologia Molecular de Trypanosoma cruzi na década de 1980; a inserção no Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular (DBBM), do Instituto Oswaldo Cruz; a viagem a Virgem da Lapa em Minas Gerais para colher amostras de sangue; a ida para a UCLA a convite de Larry Simpson e o trabalho com a técnica de PCR; comentários sobre a relação entre os laboratórios brasileiros e internacionais; considerações sobre a prática científica no Brasil e nos EUA.

Fita 4
Comparação entre a prática científica no Brasil, EUA e Europa; comentários sobre a interação entre as indústrias privadas no campo da biotecnologia e as instituições públicas de pesquisa científica no Brasil; comentários sobre o desenvolvimento de projetos de biotecnologia na Fiocruz e a relação entre os laboratórios de pesquisa do Instituto Oswaldo Cruz e Bio-Manguinhos.

Fita 5
Considerações a respeito da co-autoria e assinatura de artigos científicos; considerações sobre a importância das publicações na avaliação da carreira científica nos EUA e no Brasil; a circulação do conhecimento científico entre os pares; a Organização Mundial da Saúde e o desenvolvimento do projeto Genoma de Trypanosoma cruzi; o crescimento do DBBM na década de 1980.

Fita 6
A saturação do campo de pesquisa em Trypanosoma cruzi; a competição entre os vários grupos de pesquisa por financiamento; a diversificação dos temas de investigação no DBBM e a saturação do campo de pesquisa em T. cruzi; a escolha do DBBM como centro do Projeto Genoma em T. cruzi; os fatores políticos que influenciam as decisões e as fontes de financiamento de pesquisa; o papel de Carlos Morel no crescimento do DBBM.

Fita 7
Considerações sobre a necessidade de uma política científica de financiamento e incentivo a projetos de produção e desenvolvimento tecnológico na área da saúde; a pauta de produção do DBBM e o mercado para esses produtos; comentários sobre os entraves burocráticos aos quais estão sujeitas as instituições públicas para a comercialização de seus produtos; a relação entre pesquisa básica e aplicada; as transformações na cultura científica em função do desenvolvimento do campo da biologia molecular e dos interesses do mercado; a necessidade de investimento financeiro e de recursos humanos na área de biotecnologia; a opção por trabalhar em uma empresa pública; a opção por permanecer no Brasil.

Fita 8
Comparação da Fiocruz com outras instituições públicas e privadas no Brasil e no mundo; as pesquisas desenvolvidas pelo seu laboratório em doença de Chagas e leishmaniose e a contribuição desses trabalhos para o conhecimento sobre as doenças; os financiamentos conseguidos pelo DBBM ao longo do tempo; considerações sobre sua inserção e definição no campo científico; a pesquisa em biotecnologia e a interação entre o setor público e as empresas privadas; considerações sobre as fontes de financiamento para a pesquisa em biotecnologia no Brasil; dificuldades enfrentadas por Bio-Manguinhos para a produção do kit de diagnóstico para doença de Chagas desenvolvido no DBBM por Samuel Goldenberg.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Sem restrição

Condiçoes de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Inventário

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Não possui resenha biográfica.

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

nível de detalhamento

Datas de criação, revisão, eliminação

Fontes utilizadas na descrição

objeto digital (Master) zona de direitos

objeto digital (Referência) zona de direitos

objeto digital (Visualização) zona de direitos

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados