Item 09 - Washington Loyello

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC 05-06-01-01-01-07-09

Título

Washington Loyello

Data(s)

  • 2001 (Produção)

nível de descrição

Item

Dimensão e suporte

Documentos sonoros: 5 fitas cassete e 5 CD's (4h30min; cópia digital)

Área de contextualização

Nome do produtor

História arquivística

Entrevista gravada por Anna Beatriz de Sá Almeida e Laurinda Rosa Maciel, no Rio de Janeiro, nos dias 1º e 14 de fevereiro de 2001.

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Sumário de assuntos

Fita 1 – Lado A:
Sua infância na cidade de Cruzeiro, São Paulo; origem e atividades dos pais. O início de sua formação no Grupo Escolar Cruzeiro. A vinda para o Rio de Janeiro aos 16 anos para completar os estudos no Colégio Universitário e o firme propósito de cursar Medicina; seu ingresso neste estabelecimento de ensino; lembranças de professores e colegas de classe. O ingresso na Faculdade de Medicina em 1940.

Fita 1 – Lado B:
Lembranças do período da faculdade de colegas e professores. Primeiras atividades profissionais como plantonista em 1941 num hospital psiquiátrico e as dificuldades financeiras de sua família; a influência deste período para a escolha da psiquiatria e não mais a cirurgia, seu interesse inicial. A formatura dos alunos internos do Hospício de Pedro II em que foi orador da turma, em 1946. O retorno à Cruzeiro para assumir o posto de saúde e a prisão por motivos políticos.

Fita 2 – Lado A:
O retorno ao Brasil, após a fuga para o Uruguai; seu trabalho na Casa de Saúde Santa Helena, em Botafogo, Rio de Janeiro. As circunstâncias de sua designação para o Serviço Nacional de Doenças Mentais; sua nomeação para o Centro Psiquiátrico Pedro II (CPP II), no Engenho de Dentro. Relato sobre o concurso e a necessidade de apresentar atestado ideológico. Comentários acerca da situação dos pacientes e do CPP II e seu trabalho como Diretor. A criação no CPP II de um laboratório para fabricação de remédios próprios.

Fita 2 – Lado B:
A transferência para trabalhar no pavilhão de doentes crônicos, na Colônia Juliano Moreira (CJM). O retorno ao CPP II como assessor técnico. A residência médica oferecida naquela instituição; mudanças no atendimento ao paciente, a formação de uma equipe de profissionais de diferentes áreas como: psiquiatras, enfermeiros e assistentes sociais. O concurso para livre docência em psiquiatria na UERJ. Comentários sobre o início do movimento da reforma psiquiátrica no CPP II e as mudanças nas teorias sobre a doença mental.

Fita 3 – Lado A:
Continuação dos comentários sobre as diferentes teorias usadas na psiquiatria para compreender a doença mental. As dificuldades encontradas para sua inscrição no concurso para livre docente na UERJ.

Fita 3 – Lado B:
Comentários sobre os cursos de Higiene Mental e Psiquiatria Clínica, do Departamento Nacional de Saúde, com professores como Odilon Galote, Adauto Botelho e Cincinato Magalhães. As práticas médicas como climaterapia, hidroterapia e insulinoterapia. A criação das equipes de profissionais no tratamento ao doente que substituiu o trabalho de um único profissional. O curso de neurologia clínica sob a supervisão do prof. Costa Rodrigues, na França, e o curso ‘Temas de Psiquiatria Social’, com prof. Maurício de Medeiros.

Fita 4 – Lado A:
Relato sobre o trabalho de Aldir Blanc e Oswaldo nos ambulatórios do CPP II. As experiências de ensino; o início da carreira docente nos plantões do CPP II. A realização anual dos Cursos de Higiene Mental e Psiquiatria Clínica. A implantação da Residência Multidisciplinar, no CPP II, em 1964. O concurso de livre docente na UERJ; a reestruturação do curso. A pesquisa “Doença mental e clínica psiquiátrica” realizada na UERJ, com apoio do CNPq. A pesquisa realizada sobre lobotomia no Manicômio Judiciário do Rio de Janeiro, atual Hospital de Tratamento e Custódia Psiquiátrico Heitor Carrilho.

Fita 4 – Lado B:
Os cursos de pós-graduação realizados na UERJ, aulas práticas e teóricas. Relato sobre sua participação em congressos. Comentários sobre o movimento da reforma psiquiátrica e a extinção dos manicômios. O I Congresso Internacional Psiquiatria, em Paris, em 1951. O Congresso de Psiquiatria no México em 1971 e sua participação em associações brasileiras de psiquiatria. Sobre a ‘indústria’ da loucura. Breve explanação sobre o uso do eletrochoque e da farmacoterapia.

Fita 5 – Lado A:
As possibilidades de assistência alternativa para tratamento dos doentes mentais. Discussão sobre o genoma humano e a descoberta da hereditariedade das doenças.

Não há gravação no Lado B.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Transcrição e sumário de assunto

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Sem restrição

Condições de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Nota

Washington Loyello nasceu em 23 de maio de 1930, em Taubaté, São Paulo. O início de sua formação foi no Grupo Escolar Cruzeiro, um colégio particular pois era desejo de seu pai que ele não se formasse professor, única qualificação dada no colégio público da região. Aos 16 anos saiu de São Paulo com o intuito de estudar no Rio de Janeiro determinado a cursar medicina. Ingressou na Universidade do Brasil e concluiu a graduação em 1954.
Devido a problemas financeiros de sua família, que o obrigariam a deixar a faculdade, no segundo ano, começou a trabalhar como plantonista em hospital psiquiátrico possibilitando a continuidade dos estudos por conta própria. Foi neste momento seu primeiro contato com a doença mental e apesar de ter grande interesse pela área de cirurgia, decidiu seguir carreira na Psiquiatria.
Após concluir a formação no Rio de Janeiro, voltou para São Paulo e assumiu a direção de um posto de saúde, mas por motivos políticos, foi obrigado a fugir para o Uruguai diante da ameaça de prisão em 1956. No retorno ao Brasil, foi trabalhar na Casa de Saúde Santa Helena; algum tempo depois, foi nomeado para trabalhar no Centro Psiquiátrico Pedro II, do Serviço Nacional de Doenças Mentais, e conseguiu montar um laboratório para produzir os remédios usados naquele hospital que foi fechado logo após sua inauguração. Logo depois transferiu-se para a Colônia Juliano Moreira.
Após sua aposentadoria prestou concurso para livre docente de Psiquiatria na UERJ, em 1970. Neste mesmo ano, defendeu sua tese de doutorado na UFRJ, intitulada "O Problema da Identidade Médica". Em 1977, foi nomeado Professor Titular de Psicologia Médica substituindo o Professor Leme Lopes. Na ocasião da entrevista, atendia em seu consultório particular no centro do Rio de Janeiro.

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - local

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

nível de detalhamento

Datas de criação, revisão, eliminação

Fontes utilizadas na descrição

Zona da incorporação