Paulo Ernani Gadelha Vieira

Área de identificação

Tipo de entidade

Pessoa

Forma autorizada do nome

Paulo Ernani Gadelha Vieira

Forma(s) paralela(s) de nome

  • Paulo Gadelha

Formas normalizadas do nome de acordo com outras regras

Outra(s) forma(s) do nome

identificadores para entidades coletivas

Área de descrição

Datas de existência

1951-

História

Nasceu em 22 de julho de 1951, em Fortaleza (CE), filho de Mário Câmara Vieira e Yvone Gadelha Vieira. Em 1976 graduou-se em medicina pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), na qual se especializou em psiquiatria no Hospital de Clínicas – residência médica (1977-1978) e em medicina do trabalho (1981). Entre 1977 e 1978 foi presidente da Associação dos Médicos Residentes do Estado do Rio de Janeiro, função igualmente exercida na Associação Nacional dos Médicos Residentes de 1978 a 1979. Ainda na UERJ, no ano de 1983, obteve o título de mestre pelo Instituto de Medicina Social, apresentando a dissertação “Assistência médica no Rio de Janeiro – 1920-1937: reformas institucionais e transformações da prática médica”. Em 1991 completou sua formação acadêmica ao ingressar no doutorado da Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), onde, em 1995, defendeu a tese intitulada “História de doenças: ponto de encontros e de dispersões”. Na década de 1980, foi professor da UERJ, do Instituto Brasileiro de Administração Municipal, do Museu Histórico Nacional, da Universidade Santa Úrsula e da Universidade Cândido Mendes. Nesse período também integrou e coordenou projetos e programas de pesquisas, como “Contribuição à história da assistência médica no Rio de Janeiro, 1930-1967” (1982), “Memória do trabalho industrial no Rio de Janeiro, 1900-1950 (1982-1984), “Memória da saúde pública e da assistência médica no Rio de Janeiro: um sistema de recuperação e classificação de informações históricas” (1983) e o “Programa Nacional de Preservação da Documentação Histórica – Pró-Documento” (1984-1985). De 1983 a 1984 participou da criação do Departamento de Fisiologia da UERJ. A partir de 1985 iniciou sua atuação na gestão institucional da Fiocruz, quando participou da elaboração e coordenação do projeto de criação da Casa Oswaldo Cruz (COC), unidade técnico-científica dedicada à preservação da memória institucional e às atividades de pesquisa, ensino, documentação e divulgação da história da saúde pública e das ciências biomédicas no Brasil. Como diretor da COC, entre 1987 e 1997, liderou diversos projetos relacionados às suas múltiplas áreas de atuação, como “Organização e ampliação da documentação iconográfica do Museu da Casa de Oswaldo Cruz” (1986-1988), “Constituição do acervo de depoimentos orais sobre a história de Manguinhos e da saúde pública no Brasil” (1986-1988) e “História da assistência médica na previdência social no Brasil” (1986-1991). De 1995 a 2000 foi responsável pela coordenação geral do Museu da Vida. Além disso, exerceu na Fiocruz as funções de secretário-geral, coordenador das plenárias (1988-2007) e presidente (2010-2012) dos Congressos Internos, coordenador-geral das comemorações de seu centenário de fundação (1998-2000), vice-presidente de Desenvolvimento Institucional, Informação e Comunicação (2001-2004), vice-presidente de Desenvolvimento Institucional e Gestão do Trabalho (2005-2008) e presidente (2009-2012). Em 2013 foi eleito para o segundo mandato à frente da instituição. Ainda na década de 2000 exerceu a presidência da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (2005-2006). Recebeu diversas honrarias, como comendador da Ordem do Rio Branco (2009), grã-cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico (2010) e professor honorário da Universidade Andina Simon Bolívar, do Equador (2011).

Locais

Status legal

Funções, ocupações e atividades

Mandatos/Fontes de autoridade

Estruturas internas/genealogia

Contexto geral

Área de relacionamento

Área de controle da descrição

Identificador do registro de autoridade

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

Nível de detalhamento

Datas das descrições (criação, revisão e remoção)

Idioma(s)

Escrita(s)

Fontes utilizadas na descrição

Notas de manutenção