Mostrando 15 resultados

descrição arquivística
Moacyr Vaz de Andrade
Visualização de impressão Ver:

1 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Cartas

  • BR RJCOC HL-VP-OF-10
  • Dossiê
  • 10/10/1972 - 04/09/1987
  • Parte de Herman Lent

Cassados de Manguinhos

  • BR RJCOC JJ-VP-RS-05
  • Dossiê
  • 11/04/1967 - 1993
  • Parte de José Jurberg

Discursos de homenagens, lista de trabalhos publicados, apontamentos, currículos, fotografias.

Diretor da Casa de Oswaldo Cruz

  • BR RJCOC GA-GI-PP-01
  • Dossiê
  • 11/08/1985 - 07/1989
  • Parte de Paulo Gadelha

Dossiê: Seminário saúde e constituinte; dossiê comissão organizadora da cerimônia de reintegração dos cassados; dossiê visita do presidente da república portuguesa à fundação Oswaldo Cruz; convites; catálogos; provas tipográficas.

Fotografias dos cientistas cassados, com exceção de Haity Moussatché, recebendo o troféu Estácio de Sá e sendo homenageado pela Associação de Docentes, Pesquisadores e Tecnologistas da Fundação Oswaldo Cruz (ADFOC)

Destaque para imagens de Sebastião José de Oliveira com familiares e amigos do dia da cerimônia de reintegração a Manguinhos e com Domingos Arthur Machado Filho, Moacyr Vaz de Andrade, Masao Goto e Hugo de Souza Lopes em entrevista realizada no terraço do Pavilhão Mourisco.

Memória de Manguinhos

Reúne 30 depoimentos que foram coletados com o objetivo de reconstituir a história do Instituto Oswaldo Cruz através da vivência de alguns de seus cientistas, auxiliares e administradores, enfocando questões relativas ao ensino, pesquisa, política institucional e governamental, produção de terapêuticos e o desenvolvimento da ciência. As entrevistas tratam principalmente do período compreendido entre a década de 1930 e o "Massacre de Manguinhos" nos anos 1970. O projeto obteve apoio da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep).

Moacyr Vaz de Andrade

Entrevista realizada por Rose Ingrid Goldschmidt e Wanda Hamilton, na Fiocruz, nos dias 14 e 16 de dezembro de 1987, 29 de janeiro e 05 de fevereiro de 1988.
Sumário
Fita 1 e Fita 2 – Lado A

Origem familiar; a importância do meio universitário na formação do indivíduo; a influência do Colégio Batista em sua vida; formação religiosa; o interesse pela leitura; a atividade do pai como líder sindical; o clima de diálogo na família; a descoberta do marxismo; o rompimento com o Partido Comunista Brasileiro (PCB); a militância política no PCB; o ingresso no PCB em 1945; a célula do PCB no IOC; o desligamento do Partido na época da ilegalidade; a preparação para o vestibular de medicina no Colégio Universitário; a reprovação no exame de física; o vestibular para química na Universidade do Distrito Federal (UDF); a encampação da UDF pela Faculdade Nacional de Filosofia em 1937; o interesse pela ciência através do contato com o professor Victor Strawinsky; comentários sobre a UDF; a Segunda Guerra Mundial e o retorno dos professores estrangeiros à Europa; o ingresso na seção de ensaios biológicos e controle do IOC; as dificuldades para se tornar pesquisador; o incentivo do professor Hasselmann e o concurso de Manguinhos; a orientação do curso de química voltada para a formação de professores do segundo grau; os vínculos entre Brasil e Estados Unidos na área de química; o mercado de trabalho na área de química; a convocação para a guerra e o adiamento da contratação no IOC.

Fita 2 – Lado B a Fita 4 – Lado A

O trabalho desenvolvido na seção de ensaios biológicos e controle; a química no IOC; a implantação do ponto obrigatório no IOC; o papel de Gilberto Villela no desenvolvimento da bioquímica no Brasil; a produção de plasma seco durante a guerra; a relação dos pesquisadores do IOC com a Sociedade de Biologia do Rio de Janeiro; o trabalho de controle de produtos farmacêuticos no IOC; a escassez de mercado de trabalho na área de pesquisa; a produção de penicilina no IOC; a produção de vacinas no IOC; a gestão Henrique Aragão no IOC; o prestígio pessoal como elemento fundamental na distribuição de verbas para o IOC; as irregularidades na administração do IOC; os inquéritos militares e administrativos no IOC e as perseguições aos pesquisadores; o Congresso de Microbiologia realizado em 1950; os desníveis salariais entre funcionários do IOC; o Curso de Aplicação do IOC; a transferência para a seção de micologia a convite de Arêa Leão; as disputas entre os pesquisadores pelo uso de equipamentos científicos.

Fita 4 – Lado B a Fita 6 – Lado A

A amizade com Masao Goto; o trabalho na seção de micologia; a interrupção da pesquisa em conseqüência da cassação e os planos para continuá-la ao retornar a Manguinhos; as pesquisas sobre câncer desenvolvidas por Arêa Leão; a atividade política e comercial da fabricação de vacinas; o perfil de Arêa Leão; a realização profissional na micologia; o veto de Rocha Lagoa à homenagem a Arêa Leão; o afastamento de Olympio da Fonseca do IOC e sua volta como diretor em 1950; a falta de incentivo à pesquisa no Brasil; o desenvolvimento da micologia no IOC; o desenvolvimento da micoteca; os cursos de Manguinhos na área de micologia; as dificuldades profissionais em conseqüência da cassação; o trabalho como professor de fisiologia e bioquímica de fungos; a importância da criação de um conselho administrativo no IOC; opinião sobre a administração de Sérgio Arouca; a ilegalidade do PCB e a apreensão de seus arquivos em 1964; o retorno a Manguinhos depois da cassação.

Fita 6 – Lado B e Fita 7

As aulas de micologia no Curso de Aplicação do IOC; o aproveitamento de alunos do curso como estagiários; a crise do IOC durante a gestão Olympio da Fonseca; a gestão Travassos da Rosa e a exoneração de funcionários; o trabalho desenvolvido na administração do IOC; os conflitos entre os setores de pesquisa e de produção; as dificuldades em conciliar pesquisa e administração; a surpresa pela cassação; o grupo de cassados e o entusiasmo pelo trabalho; a administração de Olympio da Fonseca; a produção de vacinas no IOC; o perfil de José Fonseca da Cunha e seu relacionamento com os pesquisadores; o interesse político-governamental na área de produção; as dificuldades para a realização de pesquisas no Brasil.

Os dez cientistas do Instituto Oswaldo Cruz

Haity Mousstché, Herman Lent, Moacyr Vaz de Andrade, Augusto Cid Mello Perissé, Hugo de Souza Lopes, Sebastião José de Oliveira, Fernando Braga Ubatuba, Tito Arcoverde Cavalcanti de Albuquerque, Massao Goto e Domingos Arthur Machado Filho - Cassados e aposentados pelo regime militar em 1970: relatório de cassação; cartas ao jornalista Carlos Castello Branco do Jornal do Brasil e ao Congresso Nacional; carta de Agostinho da Silva, denominada “Santiago”, referente a sua estada nos laboratórios de Entomologia e Helmintologia do IOC, como também prestando solidariedade aos cassados; discurso do deputado federal Francisco Pinto, do Partido do Movimento Democrático da Bahia, sobre o governo do presidente Emílio Garrastazu Médici e a aplicação dos atos institucionais 5 e 10; folder com dados biográficos dos cientistas e convite para a cerimônia de reintegração dos mesmos a Manguinhos.

Registros sonoros da mesa redonda Massacre de Manguinhos

Depoimentos de sete cientistas de Manguinhos, coletados durante a realização de uma mesa redonda a respeito das vivências e versões de cada um dos entrevistados a respeito do episódio conhecido como "Massacre de Manguinhos". Tal episódio, ocorrido na vigência do regime militar brasileiro na década de 1970, implicou no afastamento e cassação dos direitos políticos destes cientistas do Instituto Oswaldo Cruz (IOC).

Reintegração à Fiocruz

Cartão de identificação, diários oficiais, recortes de revistas, recortes de jornal, ofícios, noticiários de jornais, cartas, requerimentos, diários do Congresso Nacional, folhetos, convites, noticiários de revista, leis, apontamentos, ensaios, listas de cassados de Manguinhos, informativos, telegramas, medidas provisórias, discursos, mensagens por e-mail, solicitações, mensagens por fax, listas de andamentos de processos, diários oficiais da União e fotografias.