Mostrando 9 resultados

descrição arquivística
Augusto Cid de Mello Perissé Rio de Janeiro (RJ)
Visualização de impressão Ver:

1 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Os dez cientistas do Instituto Oswaldo Cruz

Haity Mousstché, Herman Lent, Moacyr Vaz de Andrade, Augusto Cid Mello Perissé, Hugo de Souza Lopes, Sebastião José de Oliveira, Fernando Braga Ubatuba, Tito Arcoverde Cavalcanti de Albuquerque, Massao Goto e Domingos Arthur Machado Filho - Cassados e aposentados pelo regime militar em 1970: relatório de cassação; cartas ao jornalista Carlos Castello Branco do Jornal do Brasil e ao Congresso Nacional; carta de Agostinho da Silva, denominada “Santiago”, referente a sua estada nos laboratórios de Entomologia e Helmintologia do IOC, como também prestando solidariedade aos cassados; discurso do deputado federal Francisco Pinto, do Partido do Movimento Democrático da Bahia, sobre o governo do presidente Emílio Garrastazu Médici e a aplicação dos atos institucionais 5 e 10; folder com dados biográficos dos cientistas e convite para a cerimônia de reintegração dos mesmos a Manguinhos.

Membro da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência

Cartões, cartas, programas de eventos, aerogramas, conferências, dossiê regime de tempo integral, fotografias, comunicações em eventos, recortes de rornais, jornais, convites, ensaios, manifestos, pareceres, poesias, programas de cursos e resumos

Cartas

  • BR RJCOC HL-DP-IC-06
  • Dossiê
  • 17/05/1965 - 26/04/1991
  • Parte de Herman Lent

Octavio Souza

Cartas

Alexandre F. Ferreira; Alonso Fávero Kopke; E. L. Hamilton Morris; José Santos; Léo Nivaldo Tossin; Leonor Ponce de León Hernández; Lourenci G. Wayne; M. Tsukamura; Maria Anaide Freitas Araújo; Paulo M. Belardi; Regina Maria Santinho Tosoni Decarlis

Augusto Cid de Mello Perissé

Entrevista realizada por Wanda Hamilton, na Fiocruz (Rio de Janeiro/RJ), no dia 27 de fevereiro de 1986.
Sumário
Fitas 1 a 4
Origem familiar; os problemas financeiros na época em que era estudante de farmácia; a atração pela medicina; o trabalho como tecnologista da Marinha; o emprego numa fábrica de pólvora a convite de um professor; o ingresso no IOC em 1943; considerações sobre o curso de farmácia; o interesse pela botânica e a decisão de permanecer no IOC; o primeiro contato com a química; a proibição de trabalhar com síntese de composto orgânico pelo diretor do IOC, Henrique Aragão; o desenvolvimento da química no IOC e a introdução de novos cursos durante a gestão Olympio da Fonseca; o trabalho no Instituto Nacional de Tecnologia; a transferência para a USP a convite do professor Hauptman e a convivência com químicos alemães; a importância da biblioteca do IOC até 1964; comentários sobre o trabalho do professor Hauptman e de Rheinboldt; crítica à orientação científica do IOC no período pós-1964; comentários sobre o doutorado na USP; o trabalho na Bahia a convite de Edgard Santos; o curso de pós-doutorado na Alemanha; a importância das pesquisas em química experimental na USP; a vida e o trabalho em São Paulo; as dificuldades de desenvolvimento da química no Brasil; o estudo e o trabalho em bioquímica da hanseníase a importância do vínculo entre pesquisa e produção; a interrupção da pesquisa sobre hanseníase em consequência de sua cassação; a reconstrução do laboratório após o regresso a Manguinhos; as atividades profissionais em Paris durante o exílio; o trabalho realizado em Moçambique; a bolsa do CNPq para desenvolver pesquisa em hanseníase; comentários sobre a descoberta da hanseníase; a fase de decadência do IOC após a direção de Carlos Chagas; as atividades exercidas em Manguinhos entre 1943 e 1969; perfil e gestão de Olympio da Fonseca; o incentivo do CNPq à ciência no Brasil; a crença no progresso da humanidade através da ciência; a importância do Ministério da Ciência e Tecnologia para o desenvolvimento científico do país; o impacto das multinacionais sobre o desenvolvimento autônomo da ciência no país; a difícil sobrevivência dos institutos de pesquisa no Brasil; a redemocratização e legalização do Partido Comunista Brasileiro (PCB); a intervenção dos militares na vida política do país; os inquéritos militares e as cassações em Manguinhos; a solidariedade dos colegas do IOC e a repercussão das cassações; o fim do regime militar e a redemocratização na FIOCRUZ durante a gestão Sérgio Arouca; o caráter pessoal das perseguições movidas por Rocha Lagoa; o fechamento do laboratório de química e a perda de seus produtos após a cassação; o conflito ente os pesquisadores de Manguinhos; a paralisação da produção científica no IOC após 1970; o financiamento à pesquisa concedido pela Fundação Ford; a importância da construção de Far-Manguinhos e de Bio-Manguinhos.