Mostrando 47 resultados

descrição arquivística
Brasília (DF) Item
Visualização de impressão Ver:

1 resultados com objetos digitais Mostrar resultados com objetos digitais

Aluízio Alves

Sumário
1ª Sessão: 23 de outubro
Fita 1
A experiência na ajuda aos flagelados da seca de 1942 no Rio Grande do Norte; o trabalho como diretor do SERAS no Rio Grande do Norte; assistência aos menores carentes; atuação na LBA; o contato com Darcy Vargas no Rio de Janeiro; a criação da Escola de Social do RN, em 1942; origem familiar; a vida escolar e o trabalho na imprensa; a preocupação com a questão social; o ingresso na política e a campanha para a Assembleia Nacional Constituinte; lembranças da Revolução de 1930; as relações políticas do pai; o Golpe de 1937; as reações antigetulistas e a saída do colégio; o ingresso na UDN; atuação como deputado na Assembleia Constituinte; o trabalho na Comissão de Legislação Social do Congresso; a confecção do projeto de LOPS; o contato com dirigentes; os técnicos e atuários da Previdência Social; as resistências ao projeto; o Instituto de Serviços Sociais do Brasil (ISSB); o veto do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) ao projeto da LOPS; a negociação política para aprovação da LOPS; o projeto de João Batista Ramos; a Previdência Social para o trabalhador rural; a questão do seguro de acidentes de trabalho; a UDN e a questão social; análise da Previdência Social antes da uniformização; a utilização dos recursos previdenciários pelo governo; a situação financeira dos Institutos de Aposentadoria e Pensões (IAPs); assistência médica no projeto da LOPS; a organização do Serviço de Assistência Médica da Previdência Social (SAMPS).

Fita 2
O Ministério da Saúde e a assistência médica; a transferência do seguro de acidentes de trabalho para a Previdência Social; a campanha das seguradoras contra o projeto de estatização do seguro de acidentes de trabalho; algumas características do projeto da LOPS apresentado em 1947; influências da experiência internacional; o auxílio dos técnicos atuários na confecção do projeto de LOPS; os problemas criados para a extensão da Previdência Social aos trabalhadores rurais e domésticos; atuação dos partidos políticos na Comissão de Legislação Social da Câmara dos Deputados; os problemas do trabalhador rural; as comunidades de serviços; as diferenças entre os institutos; os vários projetos de LOPS; a criação do Serviço de Alimentação da Previdência Social (SAPS); concepção de segurado e de associado; a conversa com Eloy Chaves; a Previdência Social e o populismo; ação do PTB; o projeto LOPS no governo Kubitschek; o destino dos recursos financeiros da Previdência Social; as injunções políticas nos IAP's; ação sindical nos IAP's; o controle dos empregados na estrutura previdenciária pelo PTB; o substitutivo Batista Ramos; o acordo com Gustavo Capanema para aprovação da LOPS; atuação parlamentar; o trabalho como jornalista da "Tribuna da Imprensa"; denúncia de escândalos.

Fita 3
A Previdência Social no RN; o I Congresso Brasileiro de Previdência Social; posição dos trabalhadores sobre a direção colegiada; opinião sobre a versão da LOPS aprovada em 1960; as últimas negociações para aprovação da LOPS; a atuação do deputado Carlos Lacerda; a 'dramática vigília' na noite da aprovação da LOPS; a Previdência Social no campo; o custeio da Previdência Social; comentário sobre a unificação dos IAP's; a participação como observador na Conferência Internacional do Trabalho realizda em Genebra, em 1956; a questão da homologação dos acordos internacionais pelo Congresso Nacional; o governo Kubitschek e os trabalhadores; atuação como governador do RN (1961-66); a Previdência Social depois de 1964; a criação da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (SUDENE); o Ministério da Administração e a reforma administrativa; comentário sobre a administração pública brasileira; o grupo de técnicos do Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Industriários (IAPI); o Projeto Brochado da Rocha para universalização e unificação da Previdência Social; a utilização pessoal dos serviços da Previdência Social; lembranças da passagem de Lampião por Angicos (RN); a Intentona Comunista em Natal; comentário sobre sua trajetória política.

Cópia 01

Fitas 1 a 12

08/12 - Abertura
09/12 - Sessão seguida de debate dias
10/12 - Sessão seguida de debate dias
11/12 - Sessão seguida de debate dias

Cópia 02

Fitas 13 a 17

12/12 - Sessão seguida de debate : Grandes obras de infraestrutura e desenvolvimento regional na Amazônia rumo à sustentabilidade.

Cópia 09

Fita 1 a 12

08/12 - Abertura
09/12 - Sessão seguida de debate
10/12 - Sessão seguida de debate
11/12 - Sessão seguida de debate

Cópia 10

Fita 1 a 12

08/12 - Abertura
09/12 - Sessão seguida de debate
10/12 - Sessão seguida de debate
11/12 - Sessão seguida de debate

Cópia 11

Fita 13 a 17

12/12 - Sessão seguida de debate: Grandes obras de infraestrutura e desenvolvimento regional na Amazônia rumo à sustentabilidade?

Cópia 12

Fita 13 a 17

12/12 - Sessão seguida de debate: Grandes obras de infraestrutura e desenvolvimento regional na Amazônia rumo à sustentabilidade?

Cópia Clipping 01

Reúne notícias da mostra Amazônia Segundo Adrian Cowell - 50 anos de Cinema, pela Assessoria de Imprensa Objeto Sim Projetos Culturais, nos veículos de comunicação Jornal do Comércio, Jornal da Comunidade, Gazeta Mercantil, Hoje em Dia, Correio Braziliense, Jornal de Brasília, Jornal do Brasil (JB Brasília), Roteiro Brasília, Carta Capital, Candango Cinema, Pode Ir, Over Mundo, O Globo On LIne, Portal do Meio Ambiente, Vitruvius, Revista Continente.
A mostra, que aconteceu na Caixa Cultural de Brasília entre os dias 09 e 14 de dezembro de 2008, exibiu a obra do Cineasta Adrian Cowell que documentou a Amazônia durante 50 anos, um acervo inédito sobre a vida dos povos amazônicos e o impacto gerado por projetos de desenvolvimento na região.

Eixo Monumental

Avenida localizado no centro do "Plano Piloto" da cidade de Brasília

Esplanada dos Ministérios

Ao centro é possível observar a Catedral Metropolitana de Nossa Senhora Aparecida

Euclides Ayres Castilho

Entrevista realizada por Dilene Raimundo do Nascimento e Marcos Roma Santa, em Brasília (DF), no dia 06 de novembro de 1996.
Sumário
Fita 1 – Lado A
Sua formação em medicina preventiva; o trabalho como professor da USP; as funções desempenhadas na Fundação Oswaldo Cruz; a origem de seu interesse profissional pela Aids; o ingresso na Comissão Nacional de Aids, em 1987; a presidência do Comitê Diretivo de Pesquisa do Programa nacional de Aids e do Comitê de Vacinas do Programa Nacional de Aids, ambos em 1993; dificuldades em ajustar o trabalho acadêmico às demandas da área do serviço. Considerações sobre os aspectos técnicos, políticos e institucionais que envolvem o enfrentamento da Aids no Brasil; o processo de incorporação da Aids como uma questão pública, as primeiras iniciativas da comunidade científica, o surgimento das Ongs/Aids. Critica a supervalorização da questão da Aids, diante de outras questões graves de saúde pública no Brasil. Os aspectos burocráticos e administrativos que limitam a implantação e a execução das políticas públicas de combate à epidemia no país; as iniciativas do Programa para assessorar os estados e municípios na captação e administração dos recursos destinados à implantação dos programas regionais de combate à doença. Considerações sobre a imagem que a sociedade tem da Aids. Ressalta seu esforço pessoal em não deixar que seus valores morais interfiram na execução de seu trabalho. As implicações e o inquestionável valor científico do uso da categoria “grupo de risco” na epidemiologia. A redução das atitudes discriminatórias da comunidade médica, principalmente entre os que atuam cotidianamente na área clínica.

Fita 1 – Lado B
Sua relação pessoal com a ameaça da Aids. Considerações sobre as complexas redes de relações sociais que possibilitaram a disseminação da doença no mundo; o crescimento no índice de contaminação através de relações penivaginais. Ressalta o equívoco cometido por alguns colegas ao afirmarem não haver risco de contaminação da mulher para o homem. O medo da contaminação. Aspectos morais que permeiam as considerações técnico-científicas do discurso médico no processo de elaboração das campanhas de prevenção à Aids; destaca toda a complexidade que envolve a produção e a veiculação das campanhas. A polêmica em torno da proposta de “redução de danos” aplicada entre os usuários de drogas injetáveis. Considerações pessoais sobre a relação entre pesquisadores e pacientes; comentários a respeito dos livros de Hervé Guibert, “Ao amigo que não me salvou a vida”, onde o autor expõe sua mágoa diante da postura fria dos pesquisadores diante do drama dos doentes de Aids. Ressalta os aspectos clínicos no uso dos medicamentos anti-Aids e o seu efeito, pelo menos momentâneo, na garantia de uma maior qualidade de vida dos doentes; o impacto do coquetel anti-Aids na sociedade brasileira e as distorções em seu entendimento; a contribuição das atividades comunitárias desenvolvidas pelas ONG's Aids e a preocupação com a pauperização da epidemia no país.

Fita 2 – Lado A
Avaliação positiva da parceria institucional entre o governo e as ONG's-Aids. Considerações sobre uma possível lentidão nas respostas governamentais de combate ao avanço da epidemia; restrições do conhecimento científico sobre o vírus e o pessimismo diante da possibilidade de uma vacina eficaz a curto prazo; os resultados promissores das pesquisas nas áreas clínicas e farmacológicas. O aumento da incidência de Aids entre as mulheres. Comentários sobre o trabalho e o caráter de Lair Guerra, coordenadora do PNDST/AIDS. Sua opinião pessoal sobre a vida em tempos de Aids.

Fabíola Aguiar Nunes

Sumário de assuntos
Fita 1 - Lado A
Comentários sobre a família, a formação do pai como médico sanitarista e sua atuação como Secretário Estadual de Saúde, da Bahia; comentários sobre os irmãos; formação escolar, o vestibular e o ingresso nas Faculdades de Farmacologia e de Medicina, em ??; a opção pela Medicina, em ??, e a especialização em Saúde Pública por influência de seu pai; o convite recebido para fazer o curso de Arquivo Médico na Costa Rica, em ??, no último ano da graduação em Medicina; o término do curso em ?? e a organização do arquivo médico do Hospital das Clínicas da Bahia, a realização deste trabalho e as resistências encontradas; a organização do curso de Extensão em Arquivo Médico, no Hospital das Clínicas, em ??; o mestrado em Saúde Pública na área de concentração em Administração em Serviços de Saúde, na Universidade da Califórnia, Los Angeles em ??; as disciplinas cursadas e as dificuldades encontradas.

Fita 1 - Lado B
Comentários sobre o trabalho realizado no Hospital das Clínicas no período político da ditadura no Brasil; o retorno ao Brasil, após o curso da Universidade da Califórnia e o trabalho como professora assistente no Departamento de Medicina Preventiva, da Universidade Federal da Bahia, em 1972; a rotina de trabalho neste período; a experiência profissional no Centro de Saúde de Cruz das Almas, em Recife, PE; a nomeação como vice-diretora do Hospital das Clínicas da Bahia, em 1974; o trabalho na Primeira Diretoria Regional de Saúde, da Secretaria Estadual de Saúde; a ida para o a Costa Rica, por intermédio do Programa de Planejamento Estratégico Centro América e Panamá (PASCAP), patrocinado pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), em 1980; as dificuldades enfrentadas nesse período. A colaboração com a política .....

Fita 2 - Lado A
O retorno da Costa Rica ao Brasil, em 1982, para trabalhar na assessoria dos hospitais do Ministério da Saúde; comentários sobre a vida pessoal, a eleição de Tancredo Neves à Presidência da República e as circunstâncias da nomeação de Carlos Santana, seu esposo, para a pasta do Ministério da Saúde, em 1985; sua nomeação para a Secretaria Nacional de Programas Especiais (SNEPS), em São Paulo, em 1985; algumas dificuldades enfrentadas e os programas de tratamento da hanseníase; relato sobre o aumento do número de pacientes de Aids no país e os primeiros programas de combate à esta doença.

Fita 2 - Lado B:
A VIII Conferência Nacional de Saúde, em 1986, e a falta de informação sobre a AIDS nos principais meios de comunicação; circunstâncias sobre o encontro com Maller, diretor da OMS, a orientação em relação à implantação da poliquimioterapia no Brasil e a convocação de uma reunião nacional para discutir o esquema terapêutico ser adotado; o embate com Aguinaldo Gonçalves sobre organização desta reunião; opiniões contrárias de alguns profissionais contra a poliquimioterapia, como Luiz Marino Bechelli; a saída de Carlos Santana, como Ministro da Saúde e a entrada de Roberto Campos; a demissão de Aguinaldo Gonçalves como diretor da Divisão Nacional de Dermatologia Sanitária e a entrada de Maria Leide W. de Oliveira, em 1986; a assessoria de Manoel Zuniga, para a implantação da poliquimioterapia e recordações das reuniões deste processo.

Fita 3 - Lado A
As discussões e articulações políticas por um sistema unificado de saúde; relato sobre episódios ocorridos na gestão de Carlos Santana no Ministério da Saúde; os problemas enfrentado pela falta de recursos para campanhas de esclarecimentos em saúde; os problemas de infecção hospitalar ocasionados pela falta de qualidade dos produtos de limpeza usados nos hospitais; relato sobre dificuldades encontradas na continuação de seu trabalho junto ao Ministro da Saúde, Roberto Santos, em 1987 e lembranças deste período.

Fita 3 - Lado B
Circunstâncias da sua ida para o Ministério da Educação (MEC) e o retorno à Universidade de Brasília (UnB), como professora de Administração em Serviço de Saúde; o trabalho na Secretaria Nacional de Educação Superior e algumas mudanças curriculares propostas para cada curso, como o estágio em Farmacologia; o convite para participar da comissão organizadora da Faculdade de Farmacologia na Universidade de Brasília; as dificuldades em continuidade do trabalho devido à saúde precária de seu marido; o convite para assumir a chefia da Coordenação Regional da Fiocruz, em Brasília; a realização do curso com prioridade para as questões legais e a saúde, voltado para promotores e juízes; o trabalho de conscientização sobre a febre amarela, realizado com alunos do ensino fundamental e médio, na cidade de Planaltina, Goiás; comentários sobre alguns projetos não realizados durante sua permanência na direção de órgãos públicos.

Master 07

Fita 1 – 178, 547, 567, 568

Abertura da Mostra de Filmes Amazônia segundo Adrian Cowell, no Centro Cultural Banco do Brasil, Brasília (08/12/2008).
Falas de Luiza Andrea Moraes Cardoso – SPCOC – Casa de Oswaldo Cruz, Luiz César Rossato – Gerente de Programação do CCBB/BSB, Stella Oswaldo Cruz Penido, coordenadora técnica do projeto e pesquisadora da Casa de Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, John Adrian Cowell, documentarista e doador do acervo, Silvio Darin, Secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura.
Depoimento de Walmir de Jesus, personagem principal do filme exibido, “Batida na Floresta”, debate com o público.

Master 08

Fita 2 – 179, 547, 567, 568

Continuação do depoimento de Walmir de Jesus. Debate com o público.
SEGUNDO DIA DE DEBATE: 09/12/2008 (primeira parte)
Mesa: O Parque Indígena do Xingu e o Movimento Indígena no Brasil
Coordenação: Bruna Franchetto
Palestrantes: Mairawê Kayabi, velha liderança do Xingu, Mutuá Mehinaku, jovem liderança do Parque do Xingu, Márcio Meira, Presidente da Funai, Adrian Cowell e André Villas Boas, coordenador do Programa Xingu do Instituto Socioambiental.

Master 09

Fita 3 – 180, 547, 567, 568

SEGUNDO DIA DE DEBATE: 09/12/2008 (segunda parte)
Mesa: O Parque Indígena do Xingu e o Movimento Indígena no Brasil
Coordenação: Bruna Franchetto
Palestrantes: Mairawê Kayabi, velha liderança do Xingu, Mutuá Mehinaku, jovem liderança do Parque do Xingu, Márcio Meira, Presidente da Funai, Adrian Cowell e André Villas Boas, coordenador do Programa Xingu do Instituto Socioambiental.

Master 10

Fita 4 – 181, 547, 567, 568

SEGUNDO DIA DE DEBATE: 09/12/2008 (terceira parte)
Mesa: O Parque Indígena do Xingu e o Movimento Indígena no Brasil
Coordenação: Bruna Franchetto
Palestrantes: Mairawê Kayabi, velha liderança do Xingu, Mutuá Mehinaku, jovem liderança do Parque do Xingu, Márcio Meira, Presidente da Funai, Adrian Cowell e André Villas Boas, coordenador do Programa Xingu do Instituto Socioambiental. Debate com o público, intervenção do documentarista Wladimir Carvalho.

Master 11

Fita 5 – 182, 547, 567, 568

SEGUNDO DIA DE DEBATE: 09/12/2008 (terceira parte)
Mesa: O Parque Indígena do Xingu e o Movimento Indígena no Brasil
Coordenação: Bruna Franchetto
Palestrantes: Mairawê Kayabi, velha liderança do Xingu, Mutuá Mehinaku, jovem liderança do Parque do Xingu, Márcio Meira, Presidente da Funai, Adrian Cowell e André Villas Boas, coordenador do Programa Xingu do Instituto Socioambiental. Debate com o público.

Mesa: As Tribos Isoladas e o Desenvolvimento da Amazônia
Coordenação: Ricardo Arnt (jornalista), Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (COIAB) - formação da mesa.

Master 12

Fita 6 – 183, 547, 567, 568

TERCEIRO DIA DE DEBATE: 10/12/2008 (primeira parte)
Mesa: As Tribos Isoladas e o Desenvolvimento da Amazônia
Coordenação: Ricardo Arnt (jornalista)
Palestrantes: Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (COIAB)

Master 13

Fita 7 – 184, 547, 567, 568

TERCEIRO DIA DE DEBATE: 10/12/2008 (segunda parte)
Mesa: As Tribos Isoladas e o Desenvolvimento da Amazônia
Coordenação: Ricardo Arnt (jornalista)
Palestrantes: Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (COIAB)

Master 14

Fita 8 – 185, 547, 567, 568

TERCEIRO DIA DE DEBATE: 10/12/2008 (terceira parte)
Mesa: As Tribos Isoladas e o Desenvolvimento da Amazônia
Coordenação: Ricardo Arnt (jornalista)
Palestrantes: Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (COIAB)

  • debate com o público.

Master 15

Fita 9 – 186, 547, 567, 568

TERCEIRO DIA DE DEBATE: 10/12/2008 (quarta parte/final)
Mesa: As Tribos Isoladas e o Desenvolvimento da Amazônia
Coordenação: Ricardo Arnt (jornalista)
Palestrantes: Sydney Possuelo (sertanista), José Meirelles (Dep. Índios Isolados – FUNAI) e Marcos Apurinã (COIAB). Debate com o público.

QUARTO DIA DE DEBATE: 11/12/2008 (primeira parte)
Mesa: O Legado de Chico Mendes: As Reservas Extrativistas
Coordenação: Nilo Diniz (CONAMA-MMA)
Palestrantes: Adrian Cowell (documentarista), Joaquim Belo (CNS), Paulo Maia (Diretor Instituto Chico Mendes), Mary Alegretti (antropóloga).

Master 16

Fita 10 – 187, 547, 567, 568

QUARTO DIA DE DEBATE: 11/12/2008 (segunda parte)
Mesa: O Legado de Chico Mendes: As Reservas Extrativistas
Coordenação: Nilo Diniz (CONAMA-MMA)
Palestrantes: Adrian Cowell (documentarista), Joaquim Belo (CNS), Paulo Maia (Diretor Instituto Chico Mendes), Mary Alegretti (antropóloga).

Resultados 1 a 30 de 47