Seção 25 - Hospital Evandro Chagas

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC 02-25

Título

Hospital Evandro Chagas

Data(s)

  • 1909 - 1989 (Produção)

nível de descrição

Seção

Dimensão e suporte

Documentos textuais: 9.598 itens
Documentos iconográficos: 563 itens (fotografias)
Documentos cartográficos: 7 itens (plantas arquitetônicas)

Área de contextualização

Nome do produtor

(1918-)

História administrativa

Em 1908 Carlos Chagas vai a Lassance, em Minas Gerais, com a missão de organizar a profilaxia da malária nos canteiros de obras da Estrada de Ferro do Brasil, onde permaneceu desenvolvendo trabalhos que levaram à descoberta de uma nova tripanossomíase, causada por um protozoário e transmitida ao homem por um inseto hematófago denominado barbeiro. Em parte, graças à repercussão dos estudos sobre esta doença, Oswaldo Cruz obteve recursos para construir em Manguinhos um hospital destinado aos estudos clínicos e bacteriológicos de moléstias encontradas no interior do país. Esta verba não foi suficiente, e o Hospital Oswaldo Cruz teve suas obras custeadas, em boa parte, por recursos do próprio Instituto. Data de 1918 a sua inauguração, embora só tenha começado a funcionar, efetivamente, em 1921. O primeiro projeto de construção do Hospital Oswaldo Cruz, de 1917, elaborado pelo arquiteto Luís de Moraes e exibido na Exposição Internacional de Berlim, não foi executado. O segundo, de 1912, previa seis pavilhões, mas apenas um foi edificado e está em atividade até hoje. Dirigido por Evandro Chagas, o Hospital de Manguinhos cumpria sua função de Centro de estudos de pesquisas clínicas, como também prestava assistência médica à população. A entidades mórbidas, tais como a febre amarela, a Leishmaniose Visceral e tegumentar, a doença de Lutz e o pênfigo foliáceo fossem também objeto de estudo. Após a morte prematura de Evandro Chagas, em 1940, o hospital passou a se chamar Hospital Evandro Chagas. Nos anos 50, iniciou-se a construção de um novo prédio - o Pavilhão 26 - com instalações físicas bem maiores, mas nunca chegou a funcionar plenamente. Em meados dos anos 70, o Hospital Evandro Chagas, sem recursos, retornou ao seu antigo prédio, o histórico Pavilhão Gaspar Viana. Hoje o Hospital Evandro Chagas realiza pesquisas e presta serviços assistenciais de referência nas áreas de febre amarela, esquistossomose, leishmaniose, malária, cólera, dengue e Aids, entre outras doenças.

História arquivística

Procedência

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Reúne prontuários médicos com informações referenciais dos pacientes internados no Hospital Evandro Chagas. Constam dos prontuários os antecedentes familiares e pessoais do doente, histórico da moléstia, observações clínicas e diagnóstico. Acompanham os documentos formulário com anotações sobre o cotidiano do paciente internado, resultados de exames e fotografias. Cabe assinalar que o preenchimento dos campos nem sempre foi feito com regularidade.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Série Prontuários
Série Administração
Os documentos estão ordenados cronologicamente, segundo número de registro atribuído na origem.

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Com restrição. Conforme portaria 028/2015 - COC, que dispõe sobre o acesso às informações presentes nos prontuários de pacientes sob a guarda da COC, o acesso aos prontuários está autorizado, mediante a observância de alguns procedimentos e responsabilidades por parte do usuário.

Condiçoes de reprodução

Com restrição.

Idioma do material

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Casa de Oswaldo Cruz. Departamento de Arquivo e Documentação. Fundo Instituto Oswaldo Cruz, seção Hospital Evandro Chagas: inventário. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1998.
FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Casa de Oswaldo Cruz. Departamento de Arquivo e Documentação. Fundo Instituto Oswaldo Cruz, seção Hospital Evandro Chagas: catálogo de fichas dos prontuários de internação. Rio de Janeiro: Fiocruz, s. d.

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Descrições relacionadas

Área de notas

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

Status da descrição

Final

Nível de detalhamento

Integral

Datas de criação, revisão, eliminação

Setembro de 2010.

Idioma(s)

Fontes utilizadas na descrição

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados