Fundo CF - Carlos Chagas Filho

Área de identificação

Código de referência

BR RJCOC CF

Título

Carlos Chagas Filho

Data(s)

  • 1756-2010 (Produção)

Nível de descrição

Fundo

Dimensão e suporte

Documentos textuais: 39,06 m
Documentos iconográficos: 1.177 itens (1.093 fotografias, 49 diapositivos, 26 negativos de vidro e 9 negativos fotográficos)
Documentos cartográficos: 7 itens (4 plantas e 3 mapas)
Documentos audiovisuais: 11 itens (filmes / 3 títulos)

Área de contextualização

Nome do produtor

(1910-2000)

Biografia

Nasceu em 12 de setembro de 1910, no Rio de Janeiro, filho de Carlos Ribeiro Justiniano Chagas e Iris Lobo Chagas. Em 1926 ingressou na Faculdade de Medicina da Universidade do Rio de Janeiro, onde se formou em 1931. Ainda como estudante estagiou, em sucessão, nos laboratórios de José da Costa Cruz, Miguel Ozório de Almeida e Carneiro Felippe, do Instituto Oswaldo Cruz (IOC). Entre 1933 e 1934 frequentou o Curso de Aplicação do IOC. Foi efetivado em 1932 como assistente da cátedra de anatomia patológica e em 1935 foi aprovado em concurso para livre-docência da cátedra de física biológica daquela Faculdade. Ainda neste ano casou-se com Anna Leopoldina de Mello Franco, tendo quatro filhas: Maria da Glória, Silvia Amélia, Anna Margarida e Cristina Isabel. Em 1937 alcançou a cátedra de física biológica da Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil. A partir desta, criou em 1945 o Instituto de Biofísica, que hoje leva seu nome, e do qual foi diretor entre 1946-1964 e 1970-1973. Ali, no âmbito pioneiro de um instituto universitário de pesquisas, introduziu métodos e técnicas da física e da físico-química no estudo de fenômenos biológicos. Com a morte do irmão Evandro Chagas em 1940, retornou ao IOC como superintendente interino do Serviço de Estudo das Grandes Endemias (1941-1942). Em 1946 obteve o grau de doutor em ciências pela Universidade de Paris ao apresentar a tese “Quelques aspects de l’électrogénèse chez l’Electrophorus electricus”. De 1951 a 1955 foi diretor do Setor de Pesquisas Biológicas do Conselho Nacional de Pesquisas e membro de seu Conselho Deliberativo entre 1952 e 1960. No panorama internacional, foi delegado brasileiro nas I, II, XIII, XIV, XV Conferências Gerais da UNESCO (1946, 1947, 1964, 1966 e 1968), membro do Comitê Assessor de Pesquisas Médicas da Organização Mundial da Saúde (1951-1962 e 1971-1973), vice-presidente e presidente da I e II Sessão do Comitê Científico das Nações Unidas sobre os Efeitos das Radiações Atômicas (1956), secretário-geral da I Conferência das Nações Unidas para a Aplicação da Ciência e da Tecnologia ao Desenvolvimento (1963), membro do Comitê Consultivo para a Aplicação da Ciência e da Tecnologia ao Desenvolvimento, do Conselho Econômico e Social das Nações Unidas (1964-1980), embaixador e chefe da Delegação Permanente do Brasil junto à UNESCO (1966-1970). De 1964 a 1966 foi diretor da Faculdade de Medicina e de 1973 a 1977, decano do Centro de Ciências Médicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Integrou a Academia Brasileira de Ciências (1941), a Academia Nacional de Medicina (1959), a Academia Brasileira de Letras (1974), a Academia de Ciências da América Latina (1982) e a Academia de Ciências do Terceiro Mundo (1983). Membro da Academia Pontifícia de Ciências do Vaticano em 1961 foi seu presidente durante quatro mandatos consecutivos, entre 1972 e 1988, onde se destacou no processo de reabilitação de Galileu Galilei, na datação do Santo Sudário e na elaboração de documento contra a utilização da energia nuclear para fins não pacíficos. Morreu em 16 de fevereiro de 2000, no Rio de Janeiro.

História arquivística

Os documentos de Carlos Chagas Filho ingressaram no Departamento de Arquivo e Documentação da Casa de Oswaldo Cruz em três etapas. A primeira ocorreu na década de 1990, como parte do projeto institucional de constituição de acervos sobre a história das ciências biomédicas e da saúde pública no Brasil, quando o cientista doou documentos de seu pai, de seu irmão e dele próprio, os quais foram organizados inicialmente como fundo Família Chagas. A segunda etapa aconteceu em 2000, após a morte de Carlos Chagas Filho, a partir da doação de mais um lote de documentos que estavam sob a guarda de sua viúva, Anna Leopoldina de Mello Franco Chagas. Ao serem transferidos para a instituição, passaram por um processo de identificação preliminar, pelo qual foi possível detectar outros documentos que pertenciam originalmente a Carlos e a Evandro Chagas. Diante disso, optou-se por reorganizar os documentos desses cientistas, visto que integravam conjuntos distintos, dotados de identidade própria como fundos pessoais e não mais como um fundo estritamente familiar. A terceira etapa, por sua vez, deu-se posteriormente à morte da viúva do cientista, em 2008, com a remessa de documentos que se encontravam na antiga residência do casal Chagas Filho, doados por suas filhas.

Procedência

Doação de Carlos Chagas Filho, de Anna Leopoldina de Mello Franco Chagas e de suas filhas.

Área de conteúdo e estrutura

Âmbito e conteúdo

Reúne cartas, memorandos, ofícios, telegramas, bilhetes, convites, cartões-postais, discursos, conferências, diplomas, certificados, declarações, currículos, projetos de pesquisa, comunicações, artigos científicos, programas de eventos, notas para imprensa, protocolos de pesquisa, atas de reunião, entrevistas, relatórios de atividades, jornais, informativos, fotografias, recortes de jornais e revistas, passaportes, mensagens por fax e cartazes, entre outros documentos referentes à vida pessoal e à trajetória profissional do titular como professor, pesquisador, dirigente e membro de numerosas instituições e associações científicas, acadêmicas e culturais, tanto no Brasil como no exterior.

Avaliação, selecção e eliminação

Ingressos adicionais

Sistema de arranjo

Grupo Vida Pessoal
Grupo Formação e Administração da Carreira
Grupo Docência e Pesquisa
Grupo Gestão de Instituições de Ciência & Tecnologia em Saúde
Grupo Relações Interinstitucionais e Intergrupos

Área de condições de acesso e uso

Condições de acesso

Sem restrição

Condiçoes de reprodução

Sem restrição

Idioma do material

  • alemão
  • espanhol
  • francês
  • inglês
  • italiano
  • latim
  • português
  • russo

Forma de escrita do material

Notas ao idioma e script

Características físicas e requisitos técnicos

Instrumentos de pesquisa

FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ. Casa de Oswaldo Cruz. Departamento de Arquivo e Documentação. Fundo Carlos Chagas Filho: inventário. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

Área de fontes relacionadas

Existência e localização de originais

Existência e localização de cópias

Unidades de descrição relacionadas

Fundo Casa de Oswaldo Cruz, seção Departamento de Pesquisa em História das Ciências e da Saúde, série Projetos de Pesquisa, depoimento oral
Fundo Instituto Oswaldo Cruz
Fundo Presidência
Fundo Instituto de Biofísica
Fundo Carlos Chagas
Fundo Evandro Chagas
Coleção Bibliográfica Carlos Chagas Filho
Coleção de Objetos de Carlos Chagas Filho

Descrições relacionadas

Área de notas

Notação anterior

Pontos de acesso

Ponto de acesso - assunto

Ponto de acesso - local

Ponto de acesso - nome

Pontos de acesso de género

Área de controle da descrição

Identificador da instituição

Regras ou convenções utilizadas

CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. NOBRADE: norma brasileira de descrição arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2006.

Status da descrição

Nível de detalhamento

Datas de criação, revisão, eliminação

2002-2010

Idioma(s)

Fontes utilizadas na descrição

ALMEIDA, Darcy Fontoura de. Carlos Chagas Filho. A biographical memoir. Proceedings of the American Philosophical Society, Philadelphia, v. 147, n. 1, p. 77-82, mar. 2003.
______ (Org.). O Instituto de Biofísica (1946-1971). Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1971.
______. The main lines of multidisciplinary research implanted at the Institute of Biophysics by Carlos Chagas Filho. In: The challenges of sciences: a tribute to the memory of Carlos Chagas – Working Group. Vatican City: Pontificia Academia Scientiarvm, 2002. p. 33-40. (Pontificiae Academiae Scientiarvm Scripta Varia, v. 103).
BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Arquivos permanentes: tratamento documental. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2004.
CAMARGO, Ana Maria de Almeida; GOULART, Silvana. Tempo e circunstância: a abordagem contextual dos arquivos pessoais: procedimentos metodológicos adotados na organização dos documentos de Fernando Henrique Cardoso. São Paulo: Instituto Fernando Henrique Cardoso, 2007.
CARVALHO, Antonio Paes de. Carlos Chagas Filho: pequena nota sobre a pessoa e a obra, por um discípulo e admirador. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 90-96, 1983.
CASTRO, Maria da Conceição. Glossários de tipos documentais e padronização da descrição arquivística: um estudo de caso de arquivos de cientistas. 2009. 73 f. Monografia (Especialização em Planejamento, Organização e Direção de Arquivos) – Universidade Federal Fluminense/Arquivo Nacional, Niterói, 2009.
CENTRO DE COOPERACIÓN CIENTÍFICA DE LA UNESCO PARA AMÉRICA LATINA; ORGANIZACIÓN DE LOS ESTADOS AMERICANOS. Científicos del Brasil. Montevideo, 1964. v. 3, p. 315-318.
CHAGAS FILHO, Carlos. Um aprendiz de ciência. Rio de Janeiro: Nova Fronteira/Ed. Fiocruz, 2000.
______. Carlos Chagas Filho: depoimento [18 fev. 1987-30 set. 1988]. Entrevistadores: Nara Britto, Paulo Gadelha e Rose Ingrid Goldschmidt. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz, 1988. 21 fitas cassete. Depoimento concedido ao Projeto Memória de Manguinhos.
______. Curriculum vitae prof. Carlos Chagas. Rio de Janeiro, 1989.
______. Homens e coisas da ciência. Rio de Janeiro: Universidade do Brasil, 1956.
______. Meu pai. Rio de Janeiro: Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, 1993.
DIAS, João Carlos Pinto. Carlos Chagas Filho e a doença de Chagas. Alguns traços à luz de confidências e inconfidências. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 33, n. 3, p. 325-329, maio-jun., 2000.
GÓES FILHO, Paulo de. O Brasil no biotério: o Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho e um jeito brasileiro de fazer ciência. 1997. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.
GOVE, Harry Edmund. Relic, icon or hoax?: carbon dating the Turin shroud. Bristol: Institut of Physics Publishing, 1996.
MARIANI, Maria Clara. O Instituto de Biofísica da UFRJ. In: SCHWARTZMAN, Simon (Org.). Universidades e instituições científicas no Rio de Janeiro. Brasília: CNPq, 1982. p. 199-208.
MARINI-BETTÒLO, Giovanni Battista. L’attività della Pontificia Accademia delle Scienze, 1936-1986. Città del Vaticano: Pontificia Academia Scientiarvm, 1987. (Pontificiae Academiae Scientiarvm Scripta Varia, v. 71).
PONTIFICIA ACADEMIA SCIENTIARVM. Annuaire general. Cité du Vatican, 1987.
______. Yearbook 2008. Vatican City, 2008.
SANTOS, Paulo Roberto Elian dos. Entre o laboratório, o campo e outros lugares: gênese documental e tratamento técnico em arquivos de cientistas. 2002. 162 p. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.
SCHALL, Virgínia. Histórias do dr. Carlos Chagas Filho. In: ______. Contos de fatos: histórias de Manguinhos. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2001. p. 155-170.
SCHWARTZMAN, Simon. Um espaço para a ciência: a formação da comunidade científica no Brasil. Brasília: MCT, 2001.
TOLMASQUIM, Alfredo Tiomno; DOMINGUES, Heloisa Maria Bertol. Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq): mais um acervo para a história da ciência. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 145-152, mar.-jun. 1998.
UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Sistema de Arquivos da Universidade de São Paulo. Glossário de espécies/formatos e tipos documentais da Universidade de São Paulo. São Paulo, 1997. Disponível em: <http://www.usp.br/sausp/gestao/glossario/glossario.php>. Acesso em: 2 set. 2007.
VIANNA, Aurélio; LISSOVSKY; Maurício; SÁ, Paulo Sérgio Moraes de. A vontade de guardar: lógica da acumulação em arquivos privados. Arquivo & Administração, Rio de Janeiro, v. 2, n. 10-14, p. 62-76, jul.-dez. 1986.

Nota do arquivista

Equipe: Francisco dos Santos Lourenço (coordenador), Darcy Fontoura de Almeida (consultor científico), Leonardo Arruda Gonçalves, Ana Luce Girão Soares de Lima, Cecília Chagas de Mesquita, Ricardo Augusto dos Santos, Vivian Luiz Fonseca, André Luiz Miranda Cavalcante, Carolina de Oliveira Salgado, Thiago Werneck Gonçalves, Marcus Teixeira Mendonça, Luís Cláudio da Costa Thomaz, Daniela Passps, Fernanda da Costa Monteiro Araújo, Marcela Virgínia Thimóteo da Silva, Nathacha Regazzini Bianchi Reis, Rita de Cásia de Jesus Morais, Carlos Augusto do Couto Albuquerque, Lívia Holanda Gôvea, Ana Paula Ferreira de Mello e Priscila da Moita Rodrigues.

Zona da incorporação

Assuntos relacionados

Entidades coletivas, pessoas ou famílias relacionadas

Géneros relacionados

Lugares relacionados